CARTA ABERTA À COMUNIDADE PALHOCENSE

Pais, responsáveis e usuários dos sistemas de Educação e Saúde de Palhoça. O descaso com o serviço público não é novidade! Porém, a gestão do prefeito Eduardo Freccia tem agravado a situação. Faltam vagas em escolas e creches, faltam remédios, médicos e exames nas unidades de saúde. Atualmente, o que mantém o serviço público em funcionamento é o esforço diário dos servidores públicos.

Além de todo o descaso com a população, o prefeito não cumpre a legislação federal que garante o Piso Nacional da Enfermagem e o Piso Nacional da Educação. Professores, guardas patrimoniais, motoristas, profissionais da enfermagem entre outras tantas categorias, são os menos valorizados, com os menores salários da Grande Florianópolis. Ainda assim, prezam pelo atendimento e garantem o funcionamento das instituições.

É importante que a comunidade saiba que a luta dos trabalhadores e trabalhadoras é em prol de um serviço público valorizado e com mais qualidade no atendimento. O sucateamento feito pela Prefeitura de Palhoça só favorece a iniciativa privada e os altos aluguéis. Grande parte das estruturas onde funcionam os Centros de Educação Infantil e as escolas é alugada, ou seja, um dia poderão deixar de existir e a comunidade ficará sem atendimento.

Nossa luta não visa prejudicar as famílias, crianças e usuários dos sistemas de Saúde e Educação. Trata-se de um pedido de ajuda e apoio da comunidade para que possamos lutar por melhores condições de trabalho, atendimento e existência.

Por isso, os servidores(as) iniciarão a chamada “Operação Tartaruga”, que é o atendimento parcial dos serviços, com o objetivo de chamar a atenção do prefeito para que cumpra com suas obrigações e respeite os trabalhadores, trabalhadoras e a comunidade que utilizam o serviço público municipal.

Contamos com a sua compreensão! 

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Palhoça – Sitrampa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

cinco × 1 =