Sitrampa debate com a Secretaria Municipal de Educação as demandas dos profissionais da rede

A direção do Sitrampa esteve reunida com o prefeito Camilo Martins e a equipe da Secretaria Municipal de Educação (SME) para tratar de diversos assuntos relacionados às atividades e aos profissionais da área.

 

Conforme informações da SME, há uma expectativa de retorno às aulas no dia 3 de agosto. O posicionamento do sindicato em relação a este ponto, entretanto, é que as atividades presenciais não sejam retomadas enquanto durar a pandemia de coronavírus, já que até o momento não há outra forma de prevenção senão o isolamento social. 

 

Sobre o sistema EducarWeb, a SME afirma que os problemas já foram resolvidos. Porém, o Sitrampa demonstrou, a partir de relatos dos próprios trabalhadores, que a plataforma permanece apresentando erros e dificuldade de uso, e solicitou ajustes emergenciais.

 

Isso envolve também o registro ponto dos trabalhadores, uma vez que o abastecimento do sistema com informações das atividades realizadas, está sendo considerado a comprovação de realização das atividades laborais.

 

Por esses motivos, o Sindicato aguarda que a SME demonstre que as melhorias prometidas foram realmente executadas.

 

O Sindicato também apresentou a necessidade de flexibilização dos prazos para entrega das atividades pedagógicas não presenciais para o ensino fundamental, e das propostas pedagógicas não presenciais para a Educação Infantil. A orientação para quem estiver com dificuldades neste aspecto, é para que entre em contato com a Secretaria de Educação a fim de fazer possíveis ajustes.

 

Já o pedido para a redução do volume de propostas pedagógicas não presenciais exigidas, não foi atendido pela SME. Hoje os professores da educação infantil elaboram 10 propostas a cada 15 dias. Na normalidade, essas propostas são elaboradas em forma de projetos, que têm prazos muito mais amplos. A SME afirma que isso ocorre devido à cobranças externas, como, por exemplo, do Tribunal de Contas.

 

Em relação à redução da frequência dos professores nas escolas para retirada e entrega de materiais, ficou estabelecido que o procedimento deve ocorrer a cada 15 dias, sendo tanto a entrega quanto a retirada, feitas no mesmo dia. As escolas e CEIs deverão se adequar à esta sistemática já normatizada pela SME.

 

Nesta quinta-feira (2), o Sindicato se reunirá novamente com a SME para identificar as unidades que estão descumprindo as normativas, fazendo com que professores se dirijam semanalmente à esses locais para retirada de material e realização de telefonemas. O Sitrampa é totalmente contra essa prática, pois além de expor a equipe pedagógica e a direção escolar, amplia o risco de contágio dos profissionais que se deslocam até os locais de ensino.

 

Em relação à jornada, o Sindicato cobrou que não sejam enviadas mensagens com solicitações de qualquer natureza fora do horário de trabalho dos professores e da equipe pedagógica, considerando que já há um elevado número de pedidos de orientação por parte dos alunos, além do contato mantido com as famílias. 

 

O excesso de demanda tem gerado uma carga emocional muito grande aos profissionais da Educação, aumentando a cada dia o número de trabalhadores com algum tipo de abalo emocional, como ansiedade, pânico e depressão.

 

Prontamente, a SME atendeu o pedido e orientou as instituições, ressaltando que os profissionais podem buscar apoio junto ao Núcleo de Atendimento Especializado de Palhoça (NAEP), com orientações sobre como enfrentar o isolamento social e o teletrabalho.

 

Quanto aos servidores Admitidos em Caráter Temporário (ACTs), foi solicitado a permanência e a manutenção de todos. O Prefeito ressaltou que estão sendo mantidos, apesar das dificuldades, e não há previsão de afastamento desses profissionais.

 

Sobre os servidores aprovados no concurso 001/2015, que haviam sido chamados para tomar posse e que tiverem o procedimento interrompido devido à pandemia, o Executivo afirma que não há possibilidade de dar continuidade ao processo nesse momento. A justificativa é de que haveria um impeditivo por parte do Tribunal de Contas do Estado.

 

Outro ponto debatido foi a falta de acesso dos profissionais da área à Secretaria Municipal de Educação, o que foi comprovado com a apresentação de diversos documentos onde os trabalhadores relatam tal dificuldade ao Sindicato. 

 

A secretária comprometeu-se a manter um diálogo aberto e permanente com a direção do Sitrampa no intuito de solucionar de maneira ágil e eficaz as demandas e problemas apresentados pela categoria.

 

Por fim, o Sitrampa ressalta que o objetivo maior é prezar pela integridade física e emocional dos trabalhadores da Educação, seja aqueles que estão nas escolas ou aqueles em teletrabalho, observando para isso a garantia dos direitos desses trabalhadores.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3 × quatro =