Fique por dentro do que foi discutido na Assembleia Geral do Sitrampa

Com a presença de aproximadamente 800 servidores, o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Palhoça – Sitrampa, realizou assembleia geral ordinária no último dia 3 de março.

 

Entre as principais pautas , a apresentação e discussão da proposta de Acordo Coletivo – Data-base 2020 da categoria, a prestação de contas do exercício 2019, o lançamento da campanha pela Eleição de diretores em escolas e CEIs, e a participação na greve nacional do dia 18 de março.

 

 

Acordo Coletivo

 

Conforme o Estatuto dos Servidores Municipais de Palhoça, a negociação coletiva é o momento em que os servidores e o governo municipal discutem, avaliam e entram em acordo sobre cláusulas econômicas e sociais, visando a melhoria da qualidade de trabalho e de vida do servidor. A negociação deve finalizar durante o mês de março, com as novas medidas vigorando a partir de 1 de abril.

 

A proposta de Acordo Coletivo 2020 aprovada em assembleia pode ser acessada aqui.

 

 

Prestação de Contas

 

Durante a assembleia, também foi feita a prestação de contas da entidade, que obteve a aprovação dos servidores presentes.

 

Todos os dados financeiros do exercício de 2019 podem ser acessados aqui.

 

 

Minha Escola Minha Escolha

 

Ainda durante a assembleia da terça-feira, foi feito o lançamento da campanha Minha Escola Minha Escolha – Pela Eleição de Diretores de Escolas e CEIs.

 

A campanha pretende conscientizar a comunidade escolar sobre a importância da democratização na escolha dos gestores das unidades de ensino de Palhoça. Desde 2015, a Lei Municipal 4.324 (Plano Municipal de Educação) prevê que a escolha de diretores para as escolas e CEIs deve ocorrer por meio de votação, e não por uma indicação do Executivo.

 

Materiais da campanha foram distribuídos aos servidores presentes e no próximo período novas ações serão realizadas.

 

 

Greve Nacional

 

Os servidores municipais também decidiram pela adesão da categoria à greve nacional do 18 de março. Será o Dia Nacional em Defesa do Serviço Público, dos Servidores, Contra a Privatização e o Desmonte do Estado.

 

A greve é uma resposta aos ataques que Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, vêm fazendo ao serviço público do país, acusando os servidores e servidoras de “parasitas”, na tentativa de colocar a população contra esses trabalhadores. O intuito é precarizar os serviços públicos para abrir caminho para um processo de privatização sem precedentes na história do país. 

 

A concentração será a partir das 16h do dia 18 de março, em frente à Catedral, em Florianópolis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

catorze + 9 =