Santa Catarina se une ao Grito dos Excluídos na luta por justiça e direitos

No próximo sábado, dia 7 de setembro, o Brasil estará unido para mais um Grito dos Excluídos, que em 2019 completa 25 anos e traz como tema  “A vida em primeiro lugar”. A atividade tem como objetivo protestar contra o atual sistema e apontar que a luta deve ser por justiça, direitos e liberdade. A CUT, bem como as demais centrais, decidiu aderir e potencializar o Grito dos Excluídos em todo país. Os atos também vão alertar quanto à insustentabilidade do modelo econômico capitalista. “Este sistema não vale! Lutamos por justiça, direitos e liberdade” é a palavra de ordem.

Em Santa Catarina, manifestações estão sendo organizados em diversos municípios do estado em defesa da educação, da soberania, da previdência, com a participação dos movimentos sindical, populares e estudantis. Em Florianópolis, a concentração será às 8h, em frente à Catedral.

A presidenta da CUT-SC, Anna Julia Rodrigues, destaca que o 25º Grito dos Excluídos, mais uma vez, será um espaço de luta, denúncia, voz e vez de milhares de brasileiros. "No dia 7 de setembro, oficialmente comemora-se uma independência do Brasil que não existe, já que o governo Bolsonaro está transformando nosso país em colônia dos norte-americanos. Precisamos tomar as ruas do país para dizer que este sistema não vale e lutar em defesa da nossa soberania, educação, contra a Reforma da Previdência e por mais direitos”, diz Anna Júlia.

Sergio Nobre, secretário-geral da CUT, afirma que o esforço é para a construção de uma agenda de mobilizações para derrotar este projeto de reforma da Previdência, que está tramitando no Senado e no Congresso Nacional. "Vamos nos somar ao  Grito dos Excluídos porque entendemos que a luta nas ruas também é fundamental”, diz ele.

Com informações CUT e CUT/SC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

nove − 2 =